Parisienses vítimas de atropelamentos criam primeira associação contra patinetes elétricos

São dezenas de acidentes e feridos a cada semana. Paris e outras grandes cidades francesas continuam a receber mais empresas fornecendo compartilhamento. Patinete é visto caído em rua de Paris, no dia 7 de maio de 2019 Joel Saget / AFP Nesta semana, um grupo de parisienses atropelados inaugurou a primeira associação que milita pelos direitos das vítimas envolvidas em acidentes com o aparelho. A pianista Isabelle Van Brabant, de 60 anos, teme jamais poder voltar a tocar. No último 17 de maio, ela foi atingida pelas costas por uma patinete elétrica quando atravessava o jardim Nelson Mandela, no centro de Paris. Transportada ao hospital, recebeu um grave diagnóstico: dupla fratura no antebraço direito, nos ossos do rádio e cúbito, com perda muscular e de parte da mobilidade nos dedos. Patinete elétrico: 10 dicas sobre como andar Há 32 anos, ela é a pianista que embala as aulas de balé dos estudantes da Opéra Garnier, em Paris. À RFI, Van Brabant afirmou que os médicos não têm previsão de quanto tempo levará sua recuperação. Sua única certeza neste momento é que as próximas semanas serão de tratamento intensivo. A pianista denuncia um problema de “anarquia urbana” em Paris, relacionado à segurança dos meios de transportes. “Há pessoas que sofreram ferimentos muito mais graves que o meu. Não é apenas uma questão dos acidentes provocados pelas patinetes, é um problema muito mais amplo. Espero que a nossa associação ajude a mobilizar os poderes públicos para mudar essa situação”, afirma. Chamada de Apacauvi (Associação Filantrópica de Ação contra a Anarquia Urbana Vetora de Incivilidades), a organização, criada com o marido, Jean-René Albertin, também conta com o pai de uma bebê vítima de um atropelamento, no último 20 de maio. Arnaud Kielbasa e a esposa passeavam com a recém-nascida no 17° distrito de Paris, onde moram, quando uma patinete elétrica, apareceu na contramão de uma via de direção única. A mãe, que carregava a bebê, foi a primeira a ser atingida, antes de o motorista do aparelho se chocar contra um carro. No hospital, a pequena Sophia, de apenas um mês e meio, foi diagnosticada com traumatismo craniano e ficará sob observação durante meses. A mulher teve ferimentos leves no braço esquerdo e passa bem. O episódio foi o início de uma batalha que Kielbasa só pretende encerrar quando as patinetes forem proibidas em seu bairro. Indignado, o pai de família que classifica os usuários de patinetes de “bando de babacas”, vem se encontrando com representantes da prefeitura de Paris e conseguiu engajar o prefeito do 17° distrito da capital francesa na causa. “Acredita-se que Paris é a capital com mais patinetes do mundo. Mas o fluxo de pedestres na capital francesa simplesmente não é compatível com o desses veículos motorizados”, afirma à RFI. Segundo Kielbasa, os doze operadores que oferecem o serviço de aluguel desses veículos motorizados, disponibilizam atualmente 37 mil patinetes apenas em Paris. A capital francesa contabiliza 20 mil habitantes por metro quadrado, uma das maiores concentrações metropolitanas do mundo, segundo o parisiense. “O que é problemático é que a prefeitura da capital francesa não exerce nenhum tipo de controle e nem faz nenhuma exigência a essas empresas. Isso porque as autoridades enfrentam muitas dificuldades de reorganização dos transportes parisienses, que não funcionam de forma eficaz. As patinetes permitiram fazer de conta que se estão colocando políticas eficazes em prática – o que claramente não é verdade”, aponta. Kielbasa também critica as medidas anunciadas na quinta-feira (6) pela prefeita Anne Hidalgo. Além da proibição de estacionar nas calçadas, os usuários também receberam a recomendação de usar capacete. Já as empresas operadoras receberam a proposta de diminuir a velocidade de 25 km/h a 20 km/h em toda a capital e 8 km/h nas áreas para pedestres. “Apenas recomendações e propostas da prefeitura não vão permitir o controle da situação. É preciso levar em consideração também que as patinetes já estão proibidas de circular nas calçadas, mas, desde que essa medida foi anunciada, nada mudou. Afinal, não há agentes para controlar os infratores”, diz. Paris terá restrições para o uso de patinetes Bird/Divulgação “Não sabemos mais onde caminhar” “É assustador!”, define a professora de dança Nadejda Loujine sobre o cotidiano dos pedestres de Paris. “Entre skates, rollers, bicicletas, patinetes, monociclos elétricos, as calçadas da capital francesa viraram uma loucura. Não sabemos mais onde caminhar”, protesta. Loujine se sensibilizou pela causa em solidariedade à amiga Isabelle Van Brabant, com quem trabalha há décadas na Opéra Garnier, e se tornou secretária da associação. De acordo com a professora de dança, o principal objetivo é pressionar as autoridades para criar e respeitar leis em prol dos pedestres. Outro objetivo é prestar assistência e orientar vítimas de acidentes consequentes de uma situação que Loujine descreve como “insuportável”. Entre as futuras

Parisienses vítimas de atropelamentos criam primeira associação contra patinetes elétricos

São dezenas de acidentes e feridos a cada semana. Paris e outras grandes cidades francesas continuam a receber mais empresas fornecendo compartilhamento. Patinete é visto caído em rua de Paris, no dia 7 de maio de 2019 Joel Saget / AFP Nesta semana, um grupo de parisienses atropelados inaugurou a primeira associação que milita pelos direitos das vítimas envolvidas em acidentes com o aparelho. A pianista Isabelle Van Brabant, de 60 anos, teme jamais poder voltar a tocar. No último 17 de maio, ela foi atingida pelas costas por uma patinete elétrica quando atravessava o jardim Nelson Mandela, no centro de Paris. Transportada ao hospital, recebeu um grave diagnóstico: dupla fratura no antebraço direito, nos ossos do rádio e cúbito, com perda muscular e de parte da mobilidade nos dedos. Patinete elétrico: 10 dicas sobre como andar Há 32 anos, ela é a pianista que embala as aulas de balé dos estudantes da Opéra Garnier, em Paris. À RFI, Van Brabant afirmou que os médicos não têm previsão de quanto tempo levará sua recuperação. Sua única certeza neste momento é que as próximas semanas serão de tratamento intensivo. A pianista denuncia um problema de “anarquia urbana” em Paris, relacionado à segurança dos meios de transportes. “Há pessoas que sofreram ferimentos muito mais graves que o meu. Não é apenas uma questão dos acidentes provocados pelas patinetes, é um problema muito mais amplo. Espero que a nossa associação ajude a mobilizar os poderes públicos para mudar essa situação”, afirma. Chamada de Apacauvi (Associação Filantrópica de Ação contra a Anarquia Urbana Vetora de Incivilidades), a organização, criada com o marido, Jean-René Albertin, também conta com o pai de uma bebê vítima de um atropelamento, no último 20 de maio. Arnaud Kielbasa e a esposa passeavam com a recém-nascida no 17° distrito de Paris, onde moram, quando uma patinete elétrica, apareceu na contramão de uma via de direção única. A mãe, que carregava a bebê, foi a primeira a ser atingida, antes de o motorista do aparelho se chocar contra um carro. No hospital, a pequena Sophia, de apenas um mês e meio, foi diagnosticada com traumatismo craniano e ficará sob observação durante meses. A mulher teve ferimentos leves no braço esquerdo e passa bem. O episódio foi o início de uma batalha que Kielbasa só pretende encerrar quando as patinetes forem proibidas em seu bairro. Indignado, o pai de família que classifica os usuários de patinetes de “bando de babacas”, vem se encontrando com representantes da prefeitura de Paris e conseguiu engajar o prefeito do 17° distrito da capital francesa na causa. “Acredita-se que Paris é a capital com mais patinetes do mundo. Mas o fluxo de pedestres na capital francesa simplesmente não é compatível com o desses veículos motorizados”, afirma à RFI. Segundo Kielbasa, os doze operadores que oferecem o serviço de aluguel desses veículos motorizados, disponibilizam atualmente 37 mil patinetes apenas em Paris. A capital francesa contabiliza 20 mil habitantes por metro quadrado, uma das maiores concentrações metropolitanas do mundo, segundo o parisiense. “O que é problemático é que a prefeitura da capital francesa não exerce nenhum tipo de controle e nem faz nenhuma exigência a essas empresas. Isso porque as autoridades enfrentam muitas dificuldades de reorganização dos transportes parisienses, que não funcionam de forma eficaz. As patinetes permitiram fazer de conta que se estão colocando políticas eficazes em prática – o que claramente não é verdade”, aponta. Kielbasa também critica as medidas anunciadas na quinta-feira (6) pela prefeita Anne Hidalgo. Além da proibição de estacionar nas calçadas, os usuários também receberam a recomendação de usar capacete. Já as empresas operadoras receberam a proposta de diminuir a velocidade de 25 km/h a 20 km/h em toda a capital e 8 km/h nas áreas para pedestres. “Apenas recomendações e propostas da prefeitura não vão permitir o controle da situação. É preciso levar em consideração também que as patinetes já estão proibidas de circular nas calçadas, mas, desde que essa medida foi anunciada, nada mudou. Afinal, não há agentes para controlar os infratores”, diz. Paris terá restrições para o uso de patinetes Bird/Divulgação “Não sabemos mais onde caminhar” “É assustador!”, define a professora de dança Nadejda Loujine sobre o cotidiano dos pedestres de Paris. “Entre skates, rollers, bicicletas, patinetes, monociclos elétricos, as calçadas da capital francesa viraram uma loucura. Não sabemos mais onde caminhar”, protesta. Loujine se sensibilizou pela causa em solidariedade à amiga Isabelle Van Brabant, com quem trabalha há décadas na Opéra Garnier, e se tornou secretária da associação. De acordo com a professora de dança, o principal objetivo é pressionar as autoridades para criar e respeitar leis em prol dos pedestres. Outro objetivo é prestar assistência e orientar vítimas de acidentes consequentes de uma situação que Loujine descreve como “insuportável”. Entre as futuras medidas que a associação pretende tratar com a prefeitura de Paris estão a matrícula das patinetes como veículos motorizados, a proibição de que crianças as utilizem sem o acompanhamento dos pais, além do impedimento que mais de uma pessoa se sirva do aparelho ao mesmo tempo, como acontece frequentemente. “Nossa intenção não é proibir, mas regulamentar”, conclui. Patinete elétrico: saiba como andar Initial plugin text